Grã-Bretanha alcança melhor campanha olímpica de sua história, na Rio 2016

Depois de terminar os Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, na 36º colocação do quadro geral de medalhas, com 15 conquistas, a Grã-Bretanha embarcou em uma crescente participação nos pódios. Passados 20 anos, os britânicos encerraram a Rio 2016 na segunda posição, com 67 medalhas, atrás somente dos Estados Unidos.

Além da evolução, o TeamGB alcançou outros grandes feitos. Isso porquê, com a marca atingida no Brasil, os britânicos se tornaram os primeiros da história da competição a melhorarem sua campanha da edição em que sediou para a posterior. Além disso, as 67 medalhas conquistadas garantiram sua melhor marca já registrada em Olimpíadas, superando a de Londres, há quatro anos, quando conseguiu 65.

Quatorze medalhas dessa campanha vitoriosa estamparam o peito de atletas que estiveram em fase final de preparação no Centro de Treinamento Esportivo (CTE), da UFMG. Das modalidades que treinaram no CTE, somente no tiro com arco não houve conquistas. Já o atletismo, a natação e o rugby garantiram lugares no pódio.

 

Atletismo

Com um total de sete medalhas, o atletismo britânico subiu aos três lugares do pódio, sendo dois ouros, uma prata e quatro bronzes. O destaque vai para o atleta Moh Farah, que repetiu o feito de Londres e fez a bandeira britânica ser hasteada ao ponto mais alto por duas vezes na Rio 2016.

Maior nome das provas de fundo do atletismo na atualidade, Moh Farah venceu os 10.000m e os 5.000m rasos. Em entrevista ao canal SporTV, após a conquista do bicampeonato olímpico, o atleta demonstrou sua satisfação em competir no Brasil, deixando em aberto sua participação nos Jogos de Tóquio, em 2020.

“Isso é o tipo de coisa que acontece uma vez na vida. Vir e ganhar no Brasil, você não espera acontecer, então, estou aproveitando cada momento. Estou com 33 anos, vamos ver o que vai acontecer. Fiquei muito feliz de competir em casa e no Brasil, mas não sei se chegarei a Tóquio, daqui a quatro anos”, disse Moh Farah.


Moh Farah, na prova de 5.000m (Foto: Ezra Shaw/Getty Images)

 

Além dele, quem também marcou presença no pódio foi a atleta Jéssica Ennis-Hill, medalhista de prata no heptatlo. A atleta chegou à Rio 2016 como campeã olímpica da modalidade, depois de sofrer uma lesão no tornozelo em 2013 e ter seu primeiro filho em 2014. Passadas essas situações que a tiraram dos treinamentos por um tempo, Jéssica intensificou os trabalhos e conseguiu a única medalha britânica de prata no atletismo, nesta edição dos Jogos Olímpicos.


Jéssica Ennis-Hill foi ouro em Londres 2012 e prata na Rio 2016 (Foto: Adrian Dennis/AFP/Getty Images)

 

Para completar o pódio do TeamGB no atletismo, tiveram também quatro medalhas de bronze. Sophie Hitchon, no lançamento do martelo, alcançou um novo recorde britânico com a marca de 74,54m, subindo da quinta à terceira posição em seu último lançamento. Greg Rutherford, no salto em distância, chegou à Rio 2016 com ocampeão olímpico da modalidade e também levou o bronze. Além dos dois, os revezamentos 4x100m e 4x400m, ambos femininos, conquistaram o terceiro lugar.


Sophie Hitchon e Greg Rutherford (Fotos: Johannes Eisele/AFP/Getty Images e Matthias Hangst/Getty Images, respectivamente)

 


Medalhistas dos revezamentos 4x400m e 4x100m, respectivamente (Fotos: Patrick Smith/Getty Images)

 

Natação

 

A piscina dos Jogos Olímpicos também levou os britânicos ao pódio, com um ouro e cinco pratas. Um dos grandes nomes da delegação, o campeão olímpico Adam Peaty quebrou o recorde mundial por duas vezes na prova de 100m peito: nas eliminatórias e na final.

Primeiro, nadou em 57s55, batendo o recorde estabelecido por ele próprio no ano passado, quando conseguiu fazer a prova em 57s92. Na grande final, o jovem de 21 anos desbancou nomes como o experiente Cameron Van Der Burgh e o americano Cody Miller, em 57s13, estabelecendo o novo recorde mundial da prova.


Adam Peaty fez sua estreia em Olimpíadas garantindo um ouro nos 100m peito e prata no revezamento 4×100 medley (Foto: NurPhoto/Getty Images)

 

As cinco pratas foram conquistadas em três provas individuais e dois revezamentos. A nadadora Jazz Carlin, de 25 anos, subiu ao pódio duas vezes, conquistando o segundo lugar nas provas de 400m e 800m livre. Nos 200m medley, Siobhan Marie O’Connor, de 20 anos, também levou a prata. Os revezamentos foram os masculinos das provas de 4x100m medley e 4x200m livre.


Jazz Carlin e Siobhan Marie O’Connor (Fotos: Jean Catuffe/Getty Images e Odd Andersen/AFP/Getty Images, respectivamente)

Medalhistas dos revezamentos 4x100m medley (esq) e 4x200m livre (Fotos: Martin Bureau/AFP/Getty Images e Odd Andersen/AFP/Getty Images, respectivamente)

 

Rugby

Na estreia do rubgy de 7 (nome da modalidade para sete jogadores) nos Jogos Olímpicos, a Grã-Bretanha conquistou a prata. A modalidade, que exige muita velocidade e bravura de seus atletas, já esteve presente nas edições de 1900 e 1924, mas na versão com 15 jogadores.


Atletas britânicos do rugby de 7 (Foto: John Macdougall/AFP/GettyImages)